E quando chegam as conclusões…

Aos que querem ficar por aqui!

 “É verdade. Você não pode viver aqui por acaso.
Você tem que fazer e ser, não simplesmente observar ou até mesmo descrever.
Esta é a cidade de ação. A sede mundial do verbo. ” 

"Cantinho de Pensar"

 Choveu no último domingo. O dia inteiro. Muito. Ininterruptamente. Chuva gelada. Vento que carrega a gente, que dá frio nos ossos. Clima hostil. Eu fui pra rua, do mesmo jeitinho que fiz no dia de sol. Fui a feira igualzinho. Resisti a tentação do chazinho quente e da coberta em casa. Hoje, terça-feira, a cidade presenteou todo mundo (e principalmente a quem resistiu ao domingo) com um dia especial. Foi a primeira vez que tirei do armário um dos meus vestidos de verão, coloquei minhas “Havaianas” Melissa by Romero Britto (um dos amores da minha vida – o Romero Britto, não as havaianas), me fiz um sanduiche, comprei uma coca e fui direto pro meu “cantinho de pensar” aqui na cidade. É bem ali sentadinha na pedra, embaixo da árvore. E pela primeira vez fiquei até feliz pelo meu visto não ter saído ainda, pois do contrário estari a trancada dentro do escritório e assim não, pude aproveitar pra pensar um pouquinho porque eu quero tanto ficar aqui. E quero viu. Quero muito. E quando eu quero muito…  

Citações...

  Acho que uma das coisas mais difíceis na vida é olhar pra dentro e entender o porque de querer alguma coisa. Eu costumo ser tinhosa quando quero alguma coisa, mas antes de decidir que quero, eu sempre paro, olho pra dentro e questiono porque eu quero. Quero por mim? Quero pelos outros? Quero por vaidade ou aquilo vai mesmo me fazer feliz? Quando decidi vir pra Nova Zelândia, eu estava vindo com o meu (ex) namorado. Mas antes de decidir vir (antes mesmo, tipo 1 ano antes), eu me perguntei se antes de qualquer coisa, estava fazendo isso por mim. Nossos planos poderiam mudar e eu não saberia fazer um projeto desse tamanho, que me mandaria pra longe de todas as pessoas que amo apoiada numa cadeira de um só pé quando todo mundo sabe que é preciso pelo menos 3 pés pra uma cadeira além de não cair, sustentar outras coisas. E sou grata a mim (ser grata a nós mesmos é muito difícil, ainda mais se você é como eu, que vive se culpando por tudo e puxando pra si responsabilidades que no fundo nem são suas). Mas voltando, meu namoro acabou e ainda me restam 3 pés da cadeira bem firmes no chão.   

Living at the edge...

  Vir para o outro lado do mundo (sair do meu mundo, onde tudo, se não estava no lugar, eu ainda sim sabia onde encontrar) me descompensou emocionalmente. A espera pelas coisas que vão efetivamente permitir minha estada aqui ainda me deixam bastante ansiosa. E é difícil não sair do prumo se você não se acostumou com seus travesseiros, com aquela cama que você chama de sua, mas não sente como se fosse.  Mas passa (aliás como tudo na vida)… Quase dois meses depois é como se a lente estivesse desembaçando e eu  vejo a bagunça que deixei pra trás. Coisas que podiam ter esperado,  outras que nem precisava complicar tanto assim… mas com tanta coisa escancarada na minha frente, seria no mínimo auto-sabotagem, ficar agora perdendo tempo olhando pra trás.   

No banquinho...

  Já falei num post anterior aqui que na verdade, nunca me encaixei no perfil “garota super carioca”. Sei que parece sacrilégio mas: não suporto churrasco e pagode, torrar na praia, ir pra baile funk. Quanto ao samba… tem música que nem merece ser categorizada assim, mas é. Essas aí, não gosto também não. Minha única carioquice (e aí abro uma grande exceção, fica na delícia de ir ao Maracanã ver o Mengão jogar. Aí sim, sou carioca até a pontinha da unha do dedinho mindinho. Brigo, xingo, canto… é a minha catarse, meu exorcismo particular em zona pública. Enfim, nunca me encaixei, mesmo tendo me esforçado bastante. 

Outra do “CDP”

Hoje, andando pela cidade, tive um momento “eureka”. Eu adoro citações, certo?  Tem um bando delas espalhadas pela minha vida, pelo meu blog, no caderninho que carrego na bolsa onde vou, nos status do meu facebook, twitter, msn…. Vocês sabiam que eu moro numa cidade que tem citações por toda a parte? As fotos que ilustram esse post são apenas alguns exemplos. Tá, nem é tão importante assim. Mas fez um sentido enorme pra mim. Principalmente a primeira: “sede mundial do verbo” – podia até ser uma piadinha muito da infame e sem graça dizer que aqui é lugar de “gente que faz”. E porque concordei, me senti encaixar mais um pouquinho na cidade… e é tão bom (e raro) quando encaixa né… Não, não estou falando disso.

E por aí vai, num dia você se apaixona pelo chocolate quente, no outro pelas crianças coloridas de bochecha rosa, no outro pelas citações espalhadas pela cidade… e vai se convencendo que suas escolhas precisam ser irrefutavelmente só suas. Porque é só você que depois vai conviver com elas. E talvez, só por ter entendido isso definitivamente, a minha viagem já valeu a pena. Descobri que quero sim viver aqui seja lá qual for o “apesar de” que acompanhe essa escolha. No fundo acho que custou um pouco pra eu me lembrar de como eu posso ser excelente companhia pra mim mesma. E cá pra nós: Sem tpm, eu sou legal e divertida pra caramba!   

Nota de Rodapé: “… uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de.  Apesar de, se deve comer.  Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente”  – Clarice Lispector –

* Post dedicado a Fernanda Fontenelle

Anúncios

6 comentários sobre “E quando chegam as conclusões…

  1. Oi.
    Ando ausente. Eu sei. Mas te levo no coração.
    Mas de certa forma devo estar aí com vc, afinal as Havaianas Romero Britto me fizeram sorrir e eu sei porque.
    Eu podia dizer um monte de coisa, e até mesmo repetir outras mil q eu venho falando sempre quando conseguimos conversar, mesmo q seja um pouco.
    Mas se o momento é de citações, guarde mais essa :
    Faith in You – PM DAWN

    ‘You know with anything you do
    Theres a hundred people bringing you down
    No matter how you are

    Dont letem make you cause theyll break you
    Dont letem love you cause theyll hate you even more

    So if no one else believes in you
    Im completely yours, and Ive got so much faith in you’

  2. Obrigada pela dedicatória deste post introspectivo!
    Quanto mais sereno estamos, melhores decisões tomamos. Te amo e espero que tudo fique em paz. Torcendo pra daqui a pouco ir praí te visitar.

    Bjus

  3. Post SUPER instrospectivo. Imagino a tempestade de informações, conflitos e idéias que estão na sua cabeça.
    Pra variar, consegui te entender bem, talvez porque eu também seja assim, viva com mil coisas na caixola que, na maioria das vezes, nem saem dela.
    Concordei, acima de tudo, com o final, você é realmente uma excelente companhia.

    Saudade!

    Beijos

  4. Sei de você pelo que você escreve, não adianta informações e sim você pensando, agindo, sonhando, as vezes até delirando… mas é você monquinha bjs te amo Tia Alice

  5. I tell you this, I,
    The false magician who flourished the Pharao’s snake –
    Long the word may curl in the tamer’s hand,
    For the true tale’s sake.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s